Plano sobre Internet das Coisas busca experiências internacionais

Últimas Notícias - Notícias

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) pretende ouvir investidores e pesquisadores internacionais para colher sugestões para a elaboração do Plano Nacional de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês). O objetivo é ter expertise de especialistas, pesquisadores, empresas e desenvolvedores brasileiros e estrangeiros para contribuir com o plano, que vai prever ações para desenvolver tecnologias de IoT no Brasil até 2022.

Segundo o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação Digital do ministério, José Gontijo, a ideia é ter a opinião de quem gostaria de investir no mercado brasileiro e evitar a construção de uma iniciativa que só exista no Brasil, sem interfaces com o que existe em outros países. “A gente quer caminhar não só olhando para o Brasil, mas para o mundo. Não só para atender as nossas necessidades aqui, mas que as empresas e as instituições de pesquisa que estejam atuando nessa área aqui no Brasil possam também atuar prestando serviço em nível global.”

A previsão é que o plano fique pronto em setembro, depois da conclusão de um estudo contratado pelo governo em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que irá propor ações concretas para o setor. “Em setembro já vamos ter as ações específicas para serem implementadas em curto, médio e longo prazo. O plano vai ter ações concretas, vai apontar exatamente o que teremos que fazer”, disse o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação Digital.

Segundo Gontijo, o plano vai prever áreas em que o governo vai regular mais e outras em que é preciso desregular. “Há nichos de mercado em que não há necessidade de o governo atuar, mas outros estão diretamente ligados à prestação de serviços públicos, como a parte de transporte, mobilidade urbana”, falou.

Uma consulta pública realizada este ano no Brasil para colher sugestões para o plano já recebeu 2,3 mil contribuições. O tema foi o panorama das iniciativas já desenvolvidas no Brasil. Outras duas consultas devem ser realizadas em abril e perto de setembro, quando está prevista a entrega do documento final. Elas vão tratar sobre as aspirações para o Brasil, os setores econômicos que podem ser beneficiados com o plano, os temas que merecem a atenção do governo na implementação do plano e as propostas para as políticas públicas.

(Agência ABIPTI, com informações da Agência Brasil)